sábado, 22 de dezembro de 2007

Videohisteroscopia diagnóstica

A videohisteroscopia é uma ferramenta fundamental no diagnóstico e tratamento dos miomas uterinos. Conceitualmente, temos dois tipos de videohisteroscopia. A videohisteroscopia diagóstica e a videohisteroscopia cirúrgica (que será abordada em outra postagem).
A videohisteroscopia diagnóstica consiste na visualização direta da cavidade uterina. O exame é realizado através da introdução de uma ótica acoplada a uma microcâmera na cavidade uterina. Esta ótica é um fino tubo de 2,9 milímetros de diâmetro que é introduzida na vagina e no canal do colo do útero até atingir a cavidade uterina. O exame é todo filmado, gravado e transmitido para um monitor, que possibilita ao médico executor a visualização de toda a cavidade uterina e identificar lesões que, por ventura, podem estar no interior do útero. A cavidade uterina é uma cavidade virtual, ou seja, ela permanece quase sempre colabada. Então, para visualização desta cavidade é necessária que ela seja distendida. Utilizamos como meio de distensão soro fisiológico ou gás carbônico (CO2). Geralmente, esta distensão pode levar a cólicas, tipo cólicas menstruais. No entanto, são cólicas quase sempre suportáveis pela paciente, não sendo necessário o uso de anestesia para realização do exame. Devido à baixa tolerância da dor por parte de algumas pacientes, alguns serviços estão preconizando a realização deste exame sob uma leve sedação, proporcionando maior conforto, porém podendo aumentar a incidência de complicações, do ponto de vista anestésico. Durante a realização do exame de videohisteroscopia diagnóstica, quando nesessário, é realizada a colheita de material para análise histopatológia (biópsia), aumentando a acurácia do exame.
Em relação aos miomas, a videohisteroscopia diagnóstica permite o diagnóstico de miomas submucosos e a exclusão, ou não, de outras doenças que podem estar causando os sintomas. Além do simples diagnóstico deste tipo de mioma, este exame é capaz de classificar os miomas submucosos quanto à ressecção. Ou seja, a videohisteroscopia diagnóstica poderá oferecer um prognóstico quanto ao grau de dificuldade da retirada dos miomas submucosos por videohisteroscopia cirúrgica. Outro benefício deste exame está na investigação prévia à embolização dos miomas uterinos, pois é capaz, além de diagnósticar os miomas submucosos, de diagnosticar outras doenças que contra-indicam a embolização, como doenças malignas e pré-malignas do endométrio e doenças inflamatórias do mesmo (endometrite).
Pelos motivos listados acima e pelo reconhecimento da importância desta ferramenta, uma videohisteroscopia diagnóstica de qualidade é sempre preconizada na minha rotina investigatória na pacientes com miomas uterinos.

4 comentários:

Rubiane Brochi disse...

Olá, sou Rubiane, tenho 28 anos, descobri o Portal do Mioma pela internet.
Estou muito preocupada, sou solteira e ainda não tive nenhum filho. Este ano descobri que tenho útero miomatoso. Gostaria por favor, de seu parecer médico como especialista em miomas para ver que caminho tomar para resolver. Aqui está o resultado da ultra-sonografia feita no dia 28/04/2010.
Em ante-verso-flexão, assimétrico, apresentando formato globoso, contornos balelados e grande volume, pela presença de três nódulos intramurais miometrais porém com abaulamento de contornos.
São hipoecóicos, heterogêneos e irregulares, medindo: 5,8 x 4,7 cm em parede ântero-fúndica; 8,88 x 7,3 cm em parede posterior, desviando eco edometrial anteriormente; 5,8 x 4,7 cm em parede ântero-lateral esquerda.
Eco endometrial medindo aproximadamente 12,5 mm de espessura.
Diâmetro do útero: longitudinal: 17,2 cm ; anteroposterior: 8,7 cm ; transversal: 11,6 cm.
Volume uterino: 907,2 cm³.
Ovários bem delineados com volume e textura normais.
Já fui ao ginecologista e o seu parecer foi a retirada do útero (histerectomia).
Será que há outra solução para quem deseja ter filhos como no meu caso? Seria possível engravidar? Seria uma gravidez de risco? Não há como eu ter um filho pelo menos e depois fazer a retirada do útero?
Aguardo urgentemente o seu parecer de médico. Desde já agradeço do fundo do coração. Que Deus te abençõe.

Anônimo disse...

Minha tia tirou o útero há anos e no ano passado ao ir à médica se diagnosticou que ela tinha uma água no lugar do mesmo.A médica passou uma pomada e pediu que ela voltasse nesse mês para uma nova consulta.Ela então voltou e ao fazer uma ultrassonografia,a médica disse que não estava visualizando nada e pediu uma videohisteroscopia diagnóstica.O que pode ser? Desde já agradeço.

ZEZÉ disse...

Gostaria de saber se no resultado da VH diagnóstica é de praxe ter essa observação: A não visibilização de imagens suspeitas de malignidade, não exclui o surgimento de alterações em exames futuros. E também porque não foi feito biópsia para que o resultado fosse mais eficaz? Obrigada. Maria José

edleuza disse...

Dr. MICHEL por favor me ajude, preciso de um esclarecimento,leia com atenção por favor.No mês de julho de 2012 eu fazia academia e massagens com redutores de gordura e não encontrava nada na pélvica parei em Agosto de 2012 quando enjoei adoçantes, perfumes, meu cheiro,e alguns alimentos,pensei que algum alimento tinha feito mau , meus dentes desbotados como quem chupa limão e parecia estar mastigando maisena, o estomago embrulhando, a água meio salgada, boca amarga, creme dental nem pensar, fiquei mau.em setembro ficou mais forte, como sou ligada há 17 anos nunca pensei em gravidez nem tinha por que pensar,16 de outubro acordei fui ao banheiro e ao voltar deitei na cama e passei a mão na barriga pensando nos cremes redutores e levei um susto encontrei algo no formato de um ovo grande, pensei após menstruar deve desaparecer,uma semana após menstruei 2 dias normal(costumava ser 3 dias) quando parou esperei mais uma semana e passei a mão lá estava como uma laranja e mais senti que estremecia fugindo lentamente de minha mão, passei a observar diariamente e ele foi evoluindo comecei sentir sono muito forte no inicio da noite e uma sensação de fraqueza, como estava fazendo dieta só com legumes, frutas e hortaliças, queijo branco etc.esse serzinho em novembro se virava muito então eu comia pão com queijo tomava suco ou algo calórico e ele aquietava como que dormia,fui a um ginecologista ele observou em uma ultra-som e falou que eu tinha 4 miomas grandes eu pensei só encontro um que se move como um barquinho na água,fui em outro ginecologista esse falou que eu tenho muita aderência da cesária por isso o médico anterior se confundiu, eu só tinha 2 miomas um com 4.3 cm e 4 cm isso em 9 de novembro de 2012 e que mioma não tem esses sintomas, disse que via um cordão muito grande mais devido as aderências não dava para ver direito na transvaginal em 3D perguntou minha idade eu falei 50 anos e ele concluiu dizendo:então é mioma(ele precisou o diagnóstico com minha idade.)isso não é correto, fiquei cheia de dúvidas, hoje são 03/01/2013 sinto o serzinho com 15 /16 cm as vezes sai do lado direito aonde foi gerado e vai para o lado esquerdo depois volta,as vezes fica igual como umbigo meio atravessado e quando a bechiga está cheia ele fica sem espasso vem todo para frente fica bem visível, meus seios com sensação de rigidez no bico e pele,o injou continua dias menos dias mais. estou pensando em fazer uma vídeo histerectomia diagnostica, o que o senhor acha Dr.Michel?por favor me oriente.estou com 5 meses de injou há o ultimo ginecologista disse que um mioma com 4.3 cm tem de 4 a 5 anos de idade então o meu cresceu muito com a bexiga cheia ele mostra um volume de 15 cm.Preciso deseu conselho sou Edleuza,moro na bahia.

Depoimento