sábado, 1 de março de 2008

Artigo Científico

Padrões de tratamento dos miomas uterinos em uma população de mulheres com seguros de saúde

Artigo publicado na revista científica Fertility and Sterility de fevereiro de 2008 por Lee DW et al.
(http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18304543?ordinalpos=7&itool=EntrezSystem2.PEntrez.Pubmed.Pubmed_ResultsPanel.Pubmed_RVDocSum)
O objetivo do artigo foi analisar o perfil das mulheres tratadas para miomas uterinos que possuem seguros de saúde nos Estados Unidos, através de um estudo retrospectivo e observacional. Os dados foram obtidos a partir das bases de dados MarketScan (http://home.thomsonhealthcare.com/Products/view/?id=71), nos anos de 1999 até 2004, e ponderados para representar a população de mulheres com seguros de saúde nos Estados Unidos.
A proporção de mulheres com miomas clinicamente significativos foi determinada a cada ano, baseados em pacientes internados e ambulatoriais com diagnóstico de miomas uterinos. Características das pacientes, comorbidades, medicações prescritas e intervenções cirúrgicas foram avaliadas em 2004.
Os resultados encontrados foram que cerca de 1% das mulheres apresentavam miomas clinicamente significativos. Comorbidades genitais ou menstruais foram condições comuns e muito mais prevalentes em mulheres com miomas uterinos. Das mulheres com miomas, 18,4% não receberam tratamento cirúrgico ou medicamentoso, enquanto 16,8% receberam apenas o tratamento cirúrgico, 22,4% apenas o tratamento medicamentoso e 42,4% receberam ambos, medicamentoso e cirúrgico. A histerectomia foi a forma mais comum de tratamento cirúrgico. Generalizando, a partir desta amostra, foi estimado que 443.445 mulheres com seguros de saúde nos Estados Unidos possuíam miomas uterinos clinicamente significativos.

Este estudo recentemente publicado, nos mostra que os miomas uterinos são uma patologia bastante freqüente e que, em número absolutos, foram tratados cirurgicamente em mais de 260 mil pacientes no período de 1999 até 2004, sendo que, a maioria foi tratada com a histerectomia. Portanto, apesar do surgimento de inúmeras técnicas conservadoras, a retirada do útero ainda é o tratamento mais freqüente até mesmo em mulheres americanas que possuem seguros de saúde.

2 comentários:

Rubiane Brochi disse...

Olá, sou Rubiane, tenho 28 anos, descobri o Portal do Mioma pela internet.
Estou muito preocupada, sou solteira e ainda não tive nenhum filho. Este ano descobri que tenho útero miomatoso. Gostaria por favor, de seu parecer médico como especialista em miomas para ver que caminho tomar para resolver. Aqui está o resultado da ultra-sonografia feita no dia 28/04/2010.
Em ante-verso-flexão, assimétrico, apresentando formato globoso, contornos balelados e grande volume, pela presença de três nódulos intramurais miometrais porém com abaulamento de contornos.
São hipoecóicos, heterogêneos e irregulares, medindo: 5,8 x 4,7 cm em parede ântero-fúndica; 8,88 x 7,3 cm em parede posterior, desviando eco edometrial anteriormente; 5,8 x 4,7 cm em parede ântero-lateral esquerda.
Eco endometrial medindo aproximadamente 12,5 mm de espessura.
Diâmetro do útero: longitudinal: 17,2 cm ; anteroposterior: 8,7 cm ; transversal: 11,6 cm.
Volume uterino: 907,2 cm³.
Ovários bem delineados com volume e textura normais.
Já fui ao ginecologista e o seu parecer foi a retirada do útero (histerectomia).
Será que há outra solução para quem deseja ter filhos como no meu caso? Seria possível engravidar? Seria uma gravidez de risco? Não há como eu ter um filho pelo menos e depois fazer a retirada do útero?
Aguardo urgentemente o seu parecer de médico. Desde já agradeço do fundo do coração. Que Deus te abençõe.

Fabio disse...

Boa Noite Doutor, Como vai Dr. Tudo bem? Espero que sim.
Doutor, sou Fabio, Tenho 27 anos e minha noiva tem 30 anos somos de Guarulhos, uns 4 anos atrás ela operou para retirada de Miomas. Tomou durante um período o medicamento Zoladex só que ela teve alguns problemas com essa medicação.
Hoje ficamos sabendo que ela tem de 3 a 4 Miomas novamente, conversando com o médico ele disse que temos 3 opções.
- Engravidar agora mesmo com riscos.
- Fazer a cirurgia Miomectomia com riscos de sofrer a retirada do útero.
- Tomar a medicação Zoladex ou outro e depois de 6 meses tomando, fazer a cirurgia em até um mês depois de terminado a medicação com riscos de sofrer a retirada do útero também.

Dr. Michel Zelaquett essa são realmente as nossas alternativas?
Algo a mais que podemos fazer?
Por causa disso não será permitido a nós, ter nosso Bebê?
Por favor, peço que nos ajude.

Depoimento